Ouça agora na Rádio

Ouça agora

Mapeamento genômico revela pelo menos 14 variantes da Covid-19 em Mato Grosso do Sul

Postado em 26/06/2021 por

Compartilhe agora.

Mato Grosso do Sul registrou pelo menos 14 variantes da SARS-CoV-2 em 48 municípios com a predominância, entre elas, da linhagem de Manaus (P.1), que é a mais transmissível. Esse mapeamento genômico reforça a necessidade das medidas de prevenção como distanciamento social, uso de máscaras de proteção e higiene constante das mãos.

“A P.1 é muito mais contagiosa. Essa variante genômica, o que sabemos é que ela é 2,4 vezes mais transmissível que as outras linhagens do coronavírus. A B.1.1.28 foi mais predominante no ano passado, mas ela era muito menos transmissível. Com a alta circulação da P.1, é preciso fortalecer políticas públicas que promovam o distanciamento físico e o uso da máscara”, alerta a secretária-adjunta de Saúde, Christine Maymone. (

Última análise, com 37 amostras, revelou predominância da variante P1 – mais contagiosa

No período de 7 a 21 de junho de 2021, foram sequenciados os genomas virais de 37 amostras clínicas (swab nasofaringeano) coletadas em 2020 (maio, junho e dezembro) e 2021 (março, abril e maio), em 11 municípios sul-mato-grossenses. Dessas amostras, 26 eram da variante P.1. 

Nesse levantamento, entre os infectados pela linhagem manauara estavam homens e mulheres com 17 anos ou mais de Campo Grande, Amambaí, Antônio João, Bela Vista, Brasilândia, Dourados, Ivinhema, Naviraí, Ponta Porã e Três Lagoas.

“É possível observar que houve uma mudança das linhagens ao longo do tempo, sendo que a partir de 2021 a linhagem P.1 passou a ser a mais predominante”, diz o relatório feito em parceria pela UFMS (Universidade Federal de Mato Grosso do Sul), Fiocruz (Fundação Oswaldo Cruz) e Lacen (Laboratório Central).

Ao longo da pandemia foram encontradas mutações em 48 municípios de MS

Ao longo da pandemia foram 213 casos de variantes mapeados no Estado, incluindo 64 da mutação P.1, o que representa 30% das amostras. Na sequência aparecem mais linhagens brasileiras, a B.1.1.28 (28,6%), B.1.1.33 (18,8%) e a P.2 (15,5%).

As outras mutações encontradas foram: B1 (responsável pelo surto no norte da Itália no início de 2020), B1.212 (sul-americana), N.4 (Chile), P.1.2 (Brasil, Argentina, Países Baixos, EUA e Espanha), A.2.5.2 (Itália, EUA e Reino Unido), B.1.1 (Europa), B.1.1.247 (regiões norte da Europa e da África e Gâmbia, na África Ocidental) B.1.1.274 (Inglaterra, Tailândia, Rússia e EUA), B.1.1.44 (Reino Unido, Dinamarca e Islândia) e B.1.240 (EUA).

Corrida contra o tempo

Christine Maymone explica que o vírus da Covid-19 apresenta uma velocidade muito grande de mutação, ampliando a necessidade de imunizar a população o mais rápido possível. “Os estudos mostram que, até agora, a vacina está funcionando. Mas no caso da Influenza, o que a gente faz? A gente faz a vigilância genômica do ano e implementa a vacina para o ano seguinte, de acordo com as variantes que circularam. Só que esse vírus é diferente porque ele muda rapidamente. Precisamos chegar o quanto antes a uma imunidade coletiva, que é de 70% da população com as duas doses”.

Mato Grosso do Sul é o estado brasileiro com melhor desempenho na distribuição e aplicação da vacina. Mais de 38% da população tomaram a primeira dose e 15% receberam a segunda. 

Deixe um comentario

Estamos felizes por você ter optado por deixar um comentário. Lembre-se de que os comentários são moderados de acordo com nossa política de comentários.